Páginas

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Paradoxo Social


Vivemos sob o regime de uma cultura pop.
Ser popular é sinônimo de beleza, dinheiro, fama e poder. Talento e dignidade tornaram-se fatores secundários, e nossos estímulos estão diretamente ligados com que vemos pela mídia secular.
Isto eu nem precisaria dizer, mas vale ressaltar, que em primeiro lugar, o que vale é você mascarar aquilo que você é, caricaturando um personagem “do contra”, impulsionado por uma índole fictícia. Quer provas? Eis algumas...
Hoje em dia, só tem um porte físico satisfatório, aquele que é sarado. Se colocar 50 pessoas dentro de uma sala, apenas 10 estarão dentro dessas estatísticas. O resto será composto de pessoas gordas, magras, neuróticas, insatisfeitas. Isso é normal, nascemos invejosos.
Outro exemplo. Mulher gostosa é mulher vulgar. Mulher gostosa tem nome de fruta, assim como há 10 anos, o requisito da fama era o de ser dançarina de axé. Os anos passam, mas esta cultura apenas foi reciclada.
Você quer se prostituir sem ser hostilizado? Fique famoso e faça um filme pornô!
Quer mais? Se você tem cabelo enrolado, você cai em depressão, porque cabelo liso é cabelo bom. E quem nasce de cabelo liso prefere enrolar, já que a moda agora, é copiar o estilo dos anos 60.
Rei da música e melhor dançarino do mundo? Claro! Era o Michael Jackson! (E ninguém duvide disso! - ainda mais agora, que ele está morto e as emissoras tornaram-no um símbolo de respeito e insígnia do gênero).
Coitado daquele que questiona sobre sua orientação sexual ou sobre a suposta doença que o deixou mais branco que uma caixa da Parmalat. Michael Jackson era um cara sofrido, apanhou do pai e só queria pôr os filhos dos vizinhos pra dormir. Legal, né? E você? Tem filhos? Habilita-se a deixar que o vizinho ponha os seus para dormir também?
Se você tem vida social, torça pra ter nascido em uma família bem sucedida. Aí aos 15 anos, ganhe do pai o seu primeiro carro, encha a cara e bata ele aos 16 (Afinal, farra com cerveja, drogas e mulheres é o que torna um homem uma pessoa digna).
Segundo: Nunca demonstre sentimentalismo. Seja astuto e imposte respeito, usando o raciocínio rápido e uma linguagem descolada, não é difícil.
Terceiro: Venda tua alma e tua dignidade se for preciso. Mas custe o que custar, faça teu nome conhecido.
Corrompa-se por cargos, por influências políticas, busque o apadrinhamento de pessoas influentes, “babe ovo” de velhos almofadinhas e coroas peruas, prostitua-se, dê o seu sangue e a sua carne a troco dos valiosos 15 minutos de fama. Ou melhor! Entre para um reality show e saia nu em alguma revista. Logo você será notícia no TV Fama.
Seja do contra, haja contra a tua própria consciência, porque a fórmula da manipulação é ser mestre em manipular os fantoches sociais.
Sempre diga sim, quando estiver com vontade de dizer não, e vice-versa.
Seja astuto, quebre regras. Faça fama, cobice, esmague, humilhe-se! Estamos no século XXI. A moda agora é ser do contra.

5 comentários:

  1. Post muito bem observado e elaborado. Na atualidade, as pessoas seguem todo um padrão de uma sociedade que é controlada pela mídia. Esses dias eu estava vendo uma reportagem onde mostravam problemas sérios nas ruas de uma cidade. Ao mesmo tempo que a repórter mostrava as ruas, moradores do local se amontoavam e empurravam uns aos outros pelo simples prazer de acenar ou sorrir para a câmera, talvez no intuito de ser reconhecido por alguém que assistia a reportagem ou para se gabar entre famílias e amigos.
    Um viva ao planeta onde 90% dos seres humanos são marionetes da mídia!

    ResponderExcluir
  2. Legal seu post. Eu prefiria a moda dos Pokémons, anos atrás, porque era tão... inofensiva. Eram só camisas e bonecos. Hoje, com a modinha das bandas inúteis novamente, o povo tá sob tanta influência tosca que chega a dar noooojo. Gostei desse post, Sete, e espero ver mais alguns desse tipo. :*

    ResponderExcluir
  3. †Alexi Laiho.†3 de junho de 2010 10:35

    Curti a análise de caráter crítico! Hoje a sociedade e, especialmente jovens, são guiados por estilos dos seus respectivos 'ídolos'... Um exemplo simples e, de certa forma, bem atual diga-se de passagem, foi o Show da tal bandinha de ''Restart''... Eu assisti a um vídeo no Youtube certo dia, e o carinha falou algo curioso, mas que faz total sentido: Antigamente existia o homossexualismo vindo do berço... Hoje é normal a prática do homossexualismo, é completamente normal uma garota largar os lábios da colega e ir beijar um garoto e vice-versa... "Alexi é preconceituoso" Sim, talvez eu realmente seja, mas se for analisar coerentemente, essas bandinhas estão trazendo isso de forma avassaladora... Curti o post. Vou ler os demais.

    ResponderExcluir
  4. Post legal....
    Revelando o mundo como é....
    As vezes me pergunto se tem alguma solução pra essas coisas e ser simplesmente do contra nem dá.

    Muito bom mesmo!!

    ResponderExcluir
  5. O texto é mais um retrato dos dias de hoje,a decadência em que a pessoas estão seguindo,ou melhor,escolheram...Mas a culpa não é só da mídia,e sim de nós mesmos,que nos fazemos de submissos e manipuláveis, esquecendo-nos de valores e princípios que realmente importam...Dicernimento talvez seja o que está faltando não só no cérebro mas também no espírito,para diferenciar fantoches...Fica a pergunta!Uma mera propaganda te convence???

    ResponderExcluir